qualidade vida

A arte de não adoecer

Se não quiser adoecer - "Fale de seus sentimentos"
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer - "Tome decisão"
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia.
A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - "Busque soluções"
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer - "Não viva de aparências"
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando toneladas de peso... uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer - "Aceite-se"
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer - "Confie"
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer - "Não viva sempre triste"
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. "O bom humor nos salva das mãos do doutor". Alegria é saúde e terapia.

 Dr. Dráuzio Varella

placa-sinalizacao-ENGANADO

O conto abaixo, que ouvimos em uma reunião, ilustra bem a questão "Você tem sido transparente com o seu cliente?":

Um rapaz, à beira da morte, teve um encontro com uma divindade. Preocupado, perguntou se iria para o céu ou para o inferno. A divindade respondeu que a escolha era apenas dele e, para tomar tal decisão, que conhecesse ambos os locais.

Foi, então, conhecer o céu. Um ambiente lindo e tranquilo, jardim florido, pessoas felizes, serenas, calmas, vestidas de branco. Gostou bastante e falou: "Vou ficar aqui". "Como pode decidir sem conhecer o outro ambiente?", retrucou a divindade. Concordou e foi, então, conhecer o inferno para ter certeza de sua escolha. Chegando lá, encontrou algo surpreendente: uma super balada, repleta de pessoas bonitas, sorridentes, alegres. Bebida rolando à vontade, aquele clima de juventude. Mudou de ideia e disse à divindade: "Agora que conheço os dois lados, escolho o inferno". E, assim foi feita sua vontade. Morreu e foi para o inferno. Chegando lá, encontrou-se em um caldeirão extremamente quente, em um lugar sombrio, feio, repleto de monstros. "O que aconteceu?? Onde está a balada que eu visitei?".

Moral da história: muitas empresas e pessoas vendem serviços e produtos milagrosos, maravilhos, quando, na verdade, a realidade é totalmente diferente. E você, como tem se comportado diante dos seus clientes: iludindo-os ou falando a real?

Alone

A palavra coragem é muito interessante.
Ela vem da raiz latina cor, que significa "coração".
Portanto, ser corajoso significa viver com o coração.
E os fracos, somente os fracos, vivem com a cabeça;
receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica.
Com medo, fecham todas as janelas e portas
– com teologia, conceitos, palavras, teorias –
e do lado de dentro dessas portas e janelas, eles se escondem.

O caminho do coração é o caminho da coragem.
É viver na insegurança, é viver no amor e confiar, é enfrentar o desconhecido.
É deixar o passado para trás e deixar o futuro ser.
Coragem é seguir trilhas perigosas.
A vida é perigosa.
E só os covardes podem evitar o perigo – mas aí já estão mortos.
A pessoa que está viva, realmente viva, sempre enfrentará o desconhecido.
O perigo está presente, mas ela assumirá o risco.
O coração está sempre pronto para enfrentar riscos; o coração é um jogador.
A cabeça é um homem de negócios. Ela sempre calcula – ela é astuta.
O coração nunca calcula nada.

A vida só é possível através dos desafios.
A vida só é possível quando você tem tanto o bom tempo quanto o mau tempo,
quando tem prazer e dor;
quando tem inverno e verão, dia e noite;
quando tem tristeza tanto quanto felicidade,
desconforto tanto quanto conforto.
A vida passa entre essas duas polaridades.
Movendo-se entre essas duas polaridades, você aprende a se equilibrar.
Entre essas duas asas, você aprende a voar até a estrela mais brilhante.
 
- Osho -

Compartilhamos este texto "Ouvir com empatia", enviado pelo Eric Inafuku, que nos segue no Facebook. Esperamos que possam refletir muito sobre o "ouvir com compreensão":

[ Ouvir com empatia ]

A maior parte das pessoas não consegue escutar com a intenção de compreender; elas ouvem com a intenção de retrucar. Estão sempre falando ou se preparando para falar; filtram tudo através de seus próprios paradigmas e lêem sua autobiografia na vida das outras

pessoas. São pessoas que quando ouvem algum relato dizem prontamente: “Ah! Sei exatamente como você se sente! Já passei por isso também. Vou contar o que aconteceu comigo...”.

Já a escuta empática é a escuta com a finalidade de compreender. Ou seja, primeiro compreender, realmente compreender. A empatia não é igual à solidariedade. Não significa concordar incondicionalmente com alguém, mas compreender alguém profundamente, tanto no plano emocional quanto no intelectual. A escuta empática significa muito mais do que registrar, repetir ou mesmo entender as palavras que estão sendo ditas; significa ouvir também com os olhos e o coração. Você ouve procurando entender o significado, o sentimento; ouve para compreender.

Quando você ouve com empatia, você compreende o que acontece; depois você pode se concentrar na solução do problema ou nos conselhos que tem a dar.

É difícil procurar primeiro compreender, diagnosticar, antes de receitar uma solução. É muito mais simples oferecer logo uma solução que vem servindo a você há tanto tempo, sem se preocupar se ela serve ou não à outra pessoa.

Portanto, por mais difícil que seja, procure primeiro compreender antes de aconselhar. Esse é um princípio correta que se manifesta em muitas áreas da vida. É a marca registrada de todos os profissionais de verdade.

(texto de Stephen R. Covey no livro “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”)

Recebemos uma dica de texto da Luciana Zanatta, que nos segue em nosso Facebook, sobre a diferença entre o 'perdoar e o 'esquecer'. Compartilhamos com vocês esta interessante reflexão:

"Para perdoar é preciso lembrar, pensar, lidar com a questão. Tentar esquecer não ajuda em nada no processo de perceber a situação de outra maneira"
Para muitos, perdoar é uma tarefa muito árdua. Tanto perdoar os outros, quanto a si mesmo.


Quando toco nesse tema em meus atendimentos, questiono para o paciente o que significa para ele perdoar... e é comum ouvir: "esquecer o que aconteceu".

Bem, vamos refletir sobre o assunto com objetivo de ampliar a consciência e, quem sabe, auxiliar no processo de perdão.

Perdão é a capacidade de você lembrar-se de uma ofensa, sem com isso afetar o relacionamento. É olhar para o que aconteceu e não ter sentimentos negativos com relação à pessoa envolvida.

Uma forma de se perdoar é se desculpar. Desculpar, quer dizer retirar a culpa, absolvendo assim o envolvido e desse modo não depositando mais emoções negativas sobre ele.

Desse modo, perdoar nada tem a ver com esquecer. Para perdoar é preciso lembrar, pensar, lidar com a questão. Tentar esquecer não ajuda em nada no processo de perceber a situação de outra maneira, para poder mudar o que se sente. Esquecer é justamente buscar ocultar a situação, não olhando mais para ela e tentando desse modo não sentir mais as emoções negativas.

Não é possível esquecer o que se passou simplesmente como resultado de um desejo. Não temos esse poder de esquecer as coisas quando queremos.

Quando esquecemos algo é: por não ter importância, por já ter sido superado ou por ter sido algo muito traumático e nossa mente faz isso como mecanismo de defesa.

No entanto, nesses casos não é incomum que haja sintomas provenientes dessa questão que se tornou inconsciente, unicamente porque ela não foi tratada ou resolvida, de modo que continua a incomodar mesmo sem o indivíduo lembrar-se dela.

Forgive X forget

Existe um trocadilho na língua inglesa que pode nos ajudar a analisar e compreender melhor o significado do perdão. Perdão em inglês é forgive, enquanto que esquecer é forget.

Ao quebrar a palavra forgive temos for give, que significa (para dar), o que nos permite pensar que o perdão é algo que temos a possibilidade de dar, é feito para isso. É um ato para fora, gera movimento. Você dá ao outro a responsabilidade pela situação e fica livre dos sentimentos negativos.

Já ao quebrar forget temos for get, que significa (para receber). Isso não nos dá autonomia para darmos nada, apenas recebermos. Recebermos o quê? As consequências disso que tanto buscamos esquecer. Ficamos inertes, passivos, porque se pega para si a responsabilidade de lidar com a situação, guardando o conteúdo (na tentativa de esquecer) e desse modo as emoções negativas permanecem.

Fonte: www2.uol.com.br/vyaestelar/como_esquecer_e_perdoar.htm

A enfermidade é um... conflito entre a personalidade e a alma.
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.
O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.
E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?
A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.
O caminho para a felicidade não é reto, existem curvas chamadas Equívocos, existem semáforos chamados Amigos, luzes de precaução chamadas Família, e ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada Decisão, um potente motor chamado Amor, um bom seguro chamado FÉ, abundante combustível chamado Paciência. Mas principalmente um maravilhoso Condutor chamado DEUS, ou como O queiram chamar.

(Autor desconhecido)

Recebemos este texto da Amanda Cristina, via Facebook, e gostamos tanto que compartilhamos com vocês:

 

c abraco

"Onde é que você gostaria de estar agora, nesse exato momento?

Fico pensando nos lugares paradisíacos onde já estive, e que não me custaria nada reprisar: num determinado restaurante de uma ilha grega, em diversas praias do Brasil e do mundo, na casa de bons amigos, em algum vilarejo europeu, numa estrada bela e vazia, no meio de um show espetacular, numa sala de cinema assistindo à estreia de um filme muito esperado e, principalmente, no meu quarto e na minha cama, que nenhum hotel cinco estrelas consegue superar – a intimidade da gente é irreproduzível.

Posso também listar os lugares onde não gostaria de estar: num leito de hospital, numa fila de banco, numa reunião de condomínio, presa num elevador, em meio a um trânsito congestionado, numa cadeira de dentista.

E então? Somando os prós e os contras, as boas e más opções, onde, afinal, é o melhor lugar do mundo?

Meu palpite: dentro de um abraço.

Que lugar melhor para uma criança, para um idoso, para uma mulher apaixonada, para um adolescente com medo, para um doente, para alguém solitário? Dentro de um abraço é sempre quente, é sempre seguro. Dentro de um abraço não se ouve o tic-tac dos relógios e, se faltar luz, tanto melhor. Tudo o que você pensa e sofre, dentro de um abraço se dissolve.

Que lugar melhor para um recém-nascido, para um recém-chegado, para um recém-demitido, para um recém-contratado? Dentro de um abraço nenhuma situação é incer-ta, o futuro não amedronta, estacionamos confortavelmente em meio ao paraíso.

O rosto contra o peito de quem te abraça, as batidas do coração dele e as suas, o silêncio que sempre se faz durante esse envolvimento físico: nada há para se reivindicar ou agradecer, dentro de um abraço voz nenhuma se faz necessária, está tudo dito. (...)

(Martha Medeiros, Feliz Por Nada)

Um abraço de "Silva" pra todos! (Amanda Cristina)

Seguindo o nosso propósito de compartilhar reflexões, postamos o texto abaixo, cujo autor não identificamos. Que sirva também de motivação para perceber a beleza e a simplicidade da vida.

DPONBlog

QUANTAS VEZES...

Quantas vezes nós pensamos em desistir, deixar de lado nossos sonhos e ideais.

Quantas vezes batemos em retirada com o coração amargurado pela injustiça.

Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade sem ter com quem dividir.

Quantas vezes sentimos solidão
mesmo cercados de pessoas.

Quantas vezes falamos sem sermos notados.

Quantas vezes lutamos por uma causa perdida.

Quantas vezes voltamos para casa com a sensação de derrota.

Quantas vezes aquela lágrima teima em cair justamente na hora em que precisamos ser fortes.

Quantas vezes pedimos a Deus
um pouco de força, um pouco de luz.

E a resposta vem, seja lá como for
um sorriso, um olhar cúmplice,
um cartãozinho, um bilhete,
um gesto de amor.

E a gente insiste.
Insiste em prosseguir
em acreditar
em transformar
em dividir
em estar
em ser.

E Deus insiste em nos abençoar
em nos mostrar o caminho.
Aquele mais difícil
mais complicado, mais bonito.

E a gente insiste em seguir
porque temos uma missão...

SER FELIZ!

Como o nosso objetivo é compartilhar sempre tudo o que tenha a ver com autoconhecimento, compartilhamos este texto "Qual o sentido da vida?", para que reflitam sobre a vida de vocês. Boa reflexão!

Qual o sentido da vida?

Tudo o que vive não vive sozinho, nem pra si mesmo.

"Dizem que a vida é curta, mas não é verdade. A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades. E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança traquina brincando de esconde-esconde.

Infelizmente às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando nãos: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, a festa que não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos.

A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador; quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria. E como ela é feita de instantes, não pode nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos. Esta mensagem é um tributo ao tempo.Tanto àquele tempo que você soube aproveitar no passado quanto àquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro. Porque a vida é agora..."

"Não tenha medo do futuro, apenas lute e se esforce ao máximo para que ele seja do jeito que você sempre desejou".

 "A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos."

 (Texto de Norman Cuisins)


 

A respiração conectada consiste em cinco movimentos respiratórios, sendo quatro respirações curtas - inspirando e expirando pelo nariz, em um ritmo confortável para você, preenchendo o seu tórax; e na sequência, uma respiração longa, que preencherá todo o seu tórax e abdômen, inspirando de forma mais profunda. Repita essa sequência quatro vezes, de preferência em um ambiente arborizado, permitindo-o sentir um ar mais puro e a energia do sol.

Fale Conosco

11 98966-0888

11 99634-2611

Depoimentos

Camila Yamasato

"Sempre fui muito feliz em toda minha vida, na área profissional, familiar, amorosa, financeira, saúde etc. Vivia num mundo em que tudo eram flores.
De repente, pareceuque o céu desabou. Problemas conjugais, mudança de cidade, distäncia da famíllia e dos amigos, provas e procura de emprego, medo e insegurança; da nova vida em São Paulo fizeram com que eu entrasse em depressão profunda. Passei seis meses lutando para sobreviver. Não tinha mais vontade de viver, estava amargurada, sem sentimentos, perdida e sem rumo, parecia que tinha perdido minha identidade... Aos poucos, muitas coisas foram se resolvendo com a ajuda de amigos, familiares, terapia e outros, porém ainda me sentia mal, sem entusiasmo, com auto-estima zero, vazia de sentimentos, como se tivesse trancada numa redoma de vidro para não sofrer mais.

Foi ai, então, que tive a oportunidade de fazer o Life Coaching. Um divisor de águas na minha vida!

Com a simplicidade e carisma do coach Fabio Sampa, consegui avaliar não somente minha vida, como também meu perfil e meus valores de uma forma bastante racional, e assim então, pude traçar metas de forma objetiva.

É incrível como me senti realizada ao cumprir algumas metas, aprender a fazer o que me dá prazer. Inúmeros aprendizados tive com essa maravilhosa experiência.

Hoje, posso afirmar que sou muito mais segura, e líder da minha vida!

A vida passou a ser tão prazerosa após meu Coaching que a minha impressão é que o ano começou somente agora, e tenho pressa em aproveitar cada momento! Que seja com altos e baixos, mas com intensidade!"

Camila Yamasato - Médica